sexta-feira, 27 de julho de 2012

Das coisas mais difíceis



O caminho do gol

A Portuguesa não conseguiu ir além de um empate xexelento diante do fraco time do Flamengo. 0 a 0 é o retrato de um jogo sem sal e sem açúcar.

A Lusa, minha querida Lusa, continua ali na zona de rebaixamente e eu continuo lamentando o empate diante do Corinthians e agora dos urubus. Tá faltando gols, tá faltando atacante... Até quando esse sofrimento?

Oito meses sem vencer fora de casa, inacreditável!

Domingo, diante do Náutico é tudo ou nada. Praticamente uma final para a Portuguesa. 

E o tal artilheiro austríaco, o new Batistuta, hein??? Tá na hora de aprender o caminho do gol... Dá até saudades do Kempes! 

Ei, Diego Viana tá difícil marcar um golzinho, hein?!

Precisa de setas para aprender o caminho até o gol? (Levaremos!) 

Cadê os atacantes? Temos atacantes?


quarta-feira, 25 de julho de 2012

O maior mico da Urubuzada


Não ando muito animada com a Lusa e o desânimo que toma conta de mim reflete no blog. Ainda bem que tem os geniais cartuns do Paulo para salvar o Boteco.

A Lusa está lá na zona de rebaixamento e isso me desanima ainda mais. O time precisa vencer os próximos três jogos (Flamengo, Náutico e Figueirense) e a tarefa não é nada fácil.

Hoje pela manhã, estava lendo uns emails e alguém postou este link da vitória da Lusa diante do Flamengo.

1998, Maracanã com 52 mil torcedores. Tínhamos um time, tínhamos bons jogadores... Éramos mais felizes.

Véspera do jogo contra a Portuguesa, o presidente do Flamengo, Kleber Leite,  promete para a torcida  devolver o valor do ingresso caso o time não vença a Lusa.

Pois é, o Kleber Leite teve que devolver a grana para toda urubuzada. Que mico, Kleber! Que orgulho da Lusa calar o Maracanã lotado!!! 

terça-feira, 10 de julho de 2012

Muito tutu de feijão....


E fomos conhecer o Independência, em Belôrizonte. Domingo de sol e estrada livre até a capital mineira.

Sete horas de viagem, ótima trilha sonora, bons amigos e ótimas histórias até BH.

Já em terras mineiras, fomos atrás de um restaurante tradicional da região. Almoço delicioso, cerveja gelada e céu azul... partimos para o Independência.

Ingressos nas mãos e fomo para o canto mais extremo do estádio, mas não podemos reclamar. Estava escrito no ingresso: Visibilidade prejudicada.

Durante os 90 minutos, vimos um time determinado, que não se entregou diante dos 20 mil torcedores do Atlético-MG. O time correu, chegou próximo do gol algumas vezes, mas... Não temos um finalizador. Ô, diretoria! Pode contratar um homem-gol pra Lusa??? Do jeito que tá, não dá.

Perdemos. O time não jogou tão mal, mas não adianta jogar bem e não vencer. O importante é a classificação na tabela. 

Fomos embora no meio dos atleticanos, que felizes, comemoravam a liderança e nós, mais uma vez, lamentávamos por uma boa partida e um resultado ruim.

Seguimos até a Savessi a  procura de um bar e aproveitar a noite mineira. No dia seguinte fomos às compras e em seguida, mais 10 horas de viagem até São Paulo. 

É Portuguesa... Em Belôrizonte teve muito tutu e um resultado ruim!

Oito jogos, oito pontos. Alguma coisa está errada e não é o tutu!