terça-feira, 22 de março de 2011

Cada torcida tem o craque que merece???

Não temos um craque! Nem lembro qual foi o último jogador que pude falar: “Esse é o craque do Canindé!”. Talvez, o Diogo, que a ajudou na conquista do título da A2. Mas da minha geração o craque foi só Rodrigo Fabri porque o Leandro Amaral ficou só na tentativa.

O Dener, infelizmente, não tenho muitas recordações...E não posso esquecer o Paulinho Mclaren que me fez gritar muitas vezes: GOOOLLL!

Recentemente o Ricardo Oliveira surgiu como promessa, podia ser uma grande craque da rubro-verde, mas não deixou saudades. Ah, Edno, Héverton não chegaram  nem perto do termo “craque”, apenas fizeram alguns gols, viraram chinelinhos e sumiram. Não dou dois campeonatos para eles caíram no anonimato como muitos que passaram pela Lusa.

Diário Popular 
Por exemplo: Quem lembra do Didi???

Didi foi aquele pseudo atacante contratado por empréstimo em 1999, para ocupar o lugar do craque do Evair. Didi chegou na Lusa na “era Zagallo” e acabou fazendo alguns gols, inclusive contra o seu ex-time, o Coritnthians.

Didi era reserva do Leandro, artilheiro do Paulistão, e esporadicamente entrava no segundo tempo. Um belo dia, pseudo craque começou a reclamar da reserva e pediu dispensa do jogo da Copa do Brasil, contra o Rio Branco-ES. Sabe o que aconteceu?

Didi ficou fora da equipe e só voltou após pedir perdão. “Todo mundo passa por cinco minutos de desequilíbrio na vida e eu tive os meus agora. O importante é que eu reconheci meus erros e pedi desculpas a todos”, declarou o ex-corinthiano.

Quase ninguém lembra do que aconteceu com o Didi e nem de como ele saiu do clube, eu também não lembro, e na internet não achei nada. Alguns torcedores da Lusa disseram que o contrato dele foi rescindido antes do término do Paulistão de 99.

Folha de S.Paulo
Mas os torcedores não esquecem do gol que ele perdeu no vexame contra a Barbarense no Canindé. A Lusa foi derrotada por de 5 a 1, e o Didi foi um dos mais criticados pela torcida. Nessa época a Lusa conseguia colocar 6 mil torcedores em um domingo a tarde no Canindé.

A história com o Didi aconteceu em 99, mas todo ano temos alguma coisa semelhante, não é?

Leandro Amaral, Ricardo Oliveira, Diogo, Edno, Héverton, Fabrício, etc...a história é sempre a mesma. Deitam e rolam em cima da nossa camisa e sabe o que acontece depois??

Ganham a camisa 10 e ainda possam na foto em uma tarde de autógrafos.

Me digam: De quem é o erro???

5 comentários:

Igor sausmikat disse...

Nem recordava que Didi jogou na Lusa!Só me recordava dele no Corinthians e que lá ele era criticado pra cacete e que preferiram o Dinei.
O Evandro Chaveirinho não podia se encaixar nessa?Ou o Zagueiro que foi de seleção Brasileira o César que foi um dos que mais chorou no episódio que a Lusa foi prejudicada pelo o árbitro argentino?
E aquele meia Alexandre hein?
É o que lembro de alguns da Lusa.Tinha o Goleiro Fabiano também.
O Erro é quando o jogador é paparicado demais e aí fica metido e fica de salto alto demais e chega a um ponto no qual se o jogador não tem cabeça aí ele não aceita críticas e nem nada como se fosse Deus.
beijos Michelle e perfeito post!!
meu blog de esportes: http://igoresportes.blogspot.com/ e no twitter pra quem quiser seguir @blogdoigor05

Michelle disse...

Sei lá, Igor...acho que vc não entendeu o que eu escrevi. César não foi um craque, mas é meu ídolo. Se todos os jogadores fossem iguais a ele, a história seria outra...

ANSELMO RIBEIRO disse...

Eu também achei uma falta de sensibilidade colocar o Fabrício para uma noite de autógrafos. Devido à falta de ídolos do elenco atual, seria mais prudente se, usássemos a desculpa de que como a camisa é tem detalhes retrô, os craques escolhidos seriam os antigos, tais como Badeco, Paulinho McLaren, Rodrigo Fabri, e chamassem até mesmo numa folga eventual o grande Zé Roberto. Bem, pelo menos não chamaram o Edno e o Heverton também...

jefferson disse...

Realmente a nossa musa do Canindé está certa, craque faz muito tempo que não vejo, até Toninho (anos 80) e Capitão (nosso eterno idolo) são craques perto do que temos nos ultimos tempos. Não temos um craque na Lusa a muito tempo, acho que craque de verdade, ainda usando a camisa rubro verde, foi o Dener, pois o resto foram apenas relampos ou começo de carreira, não tendo tempo para usar toda a habilidade a favor da Lusa. Fico triste, pois vou ao Canindé para ver um time que é metadade do da Lupa e a outra do Iauca, jogarem o nome da minha Portuguesa no lixo.

Paulo Batista disse...

Na minha infância o craque da Lusa era o Enéas, de quem ví toda a carreira, depois o Dener, que acho deveria ter sido o maior da Lusa. Tiveram caras que chegaram já consagrados de outros clubes como Luiz Pereira e Roberto Dinamite, e outros que começaram bem na Lusa e com o tempo se fizeram craques, caso do Zé Roberto. Por mais que a palavra tenha se desgastado e hoje é aplicada sem muito critério, Fabrício, Heverton, Edno e mesmo Ricardo Oliveira soam mais como heresia do que como piada. Por fim, NÃO, nós torcedores merecemos muito mais.