quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Foi um velório?

Fui para o Canindé com certeza da vitória. Imaginei 5 a 0, mas com os pés nos chão, vencer por dois a zero seria um ótimo resultado. Aos quinze minutos do primeiro tempo e já pensava que meio a zero seria excelente.

Estava louca para escrever uma resposta para o Juca Kfouri falando que o Canindé não era velório e que a Portuguesa não está morta no Campeonato. Iria provar para ele que a torcida da Portuguesa vibra a cada jogada, que somos torcedores com alma e que não importa se somos mil ou 10 mil. Nós somos.

Mas o primeiro tempo não foi nada animador com poucas chances de gol. O que me consolava é que  na beira do gramado havia um treinador. Ele não foi capaz de fazer milagre. É compreensível, mas temos um treinador. Guto Ferreira chegou um dia antes do jogo no Canindé, pedir uma goleada seria muito. Mas não é muito pedir para os jogadores um pouco de raça e determinação. Cadê a vontade dos três pontinhos?

No começo do segundo tempo, já estava irritada e impaciente. Como seria a minha resposta ao Juca Kfouri?  Aos 24 minutos, Bruno Henrique, marcou o gol da salvação. O gol do cala a boca Juca Kfouri. O gol do mais três pontos. O gol do passamos o São Paulo. O gol da esperança. O gol do “isso aqui não é velório”. O gol do “chupa, Kfouri!”

Comemorei muito e acreditei que aquele gol era o gol do “estamos em uma nova era” e que as vitórias seriam mais naturais e consequências de um trabalho razoável para bom. Aquele era o sinal da volta por cima e da certeza que a Lusa iria permanecer na Série A.

A ilusão durou cerca de 20 minutos. Vinte minutos com a certeza de uma vitória, mas vendo um time medíocre dentro de campo. Talvez, o pior time de todos os tempos. O pior time que já vi vestindo a camisa rubro-verde. E no último minuto,o assassinato, o gol da Criciúma. Maldito gol. O gol do “vamos cair”. Gol da tristeza. Gol da revolta. Já perdi as contas de quantos gols tomamos no final neste Campeonato. Mas sei que é o quinto jogo sem vitórias e agosto não costuma ser muito animador para a Portuguesa.

Gol aos 45 minutos. No final, foi um velório. Mas o meu velório! Quase morri de tristeza com empate do Criciúma. E a resposta para o Kfouri? Bom, deixa pra lá, temos mais 28 rodadas pela frente e talvez 28 velórios.


2 comentários:

Eduardo elias dos santos disse...

FUI TAMBÉM COM ESTE PENSAMENTO , QUE O TIME PUDESSE SE REERGUER NO CAMPEONATO , NOVO TÉCNICO , JOGADORES QUERENDO MOSTRAR SERVIÇO , MAS AI.... A REALIDADE VEIO A TONA TEMOS QUE TER NÃO UM TÉCNICO , MAS UM MAGICO PARA TIRAR OS COELHOS DA CARTOLA E FAZER UMA MAGICA PARA QUE ESSES JOGADORES VIREM SUPER JOGADORES... OU ENTÃO UM PAI DE SANTO PARA TIRAR OS CABOCLOS DE CIMA, DE CADA UM DELES!!! A QUANTO AO BLOG DO JUCA E SEU POST SOBRE O JOGO QUE SERIA UM VELÓRIO ,NÃO TENHO DUVIDA QUE O SEU INTERMEDIÁRIO NA MISSA É O SR DA LUPA E SUA DIRETORIA DE COVEIROS

Esequias Pierre Filho disse...

A situação realmente esta complicada para a Lusa, saber que existe agora um treinador na beira do campo é um alento realmente mas não menos preocupante;