domingo, 29 de agosto de 2010

Quem é Renê?

Parece que a briga entre jogadores e torcida está virando uma coisa comum no Canindé. Jogos atrás o nosso ex-goleiro titular Andrey andou batendo boca com alguns torcedores e ontem, o Fabrício.

O clima não é dos melhores no Canindé. Além de apoiar o time, o torcedor tem o direito e o dever de cobrar mais atitude daqueles que vestem a camisa rubro-verde, afinal, eles são passageiros, e nós ficaremos ali na arquibancada por muitos anos torcendo pela Portuguesa independente dos resultados, campeonatos e divisões.

Mas nem quero falar da briga de jogadores lusos com a torcida. Isso é briga interna e resolvemos lá no Canindé. Meu lance é com o Renê, do Bahia.

Antes de mais nada, quero deixar bem claro, se algum dia, esse goleiro do Bahia, vestir a camisa da Lusa eu não vou mais assistir os jogos no Canindé. A história é essa:

Meu pai é uma pessoa sensata, pouco fica nervoso por causa da Portuguesa. Poucas vezes vi meu paizinho perder a cabeça durante um jogo de futebol, principalmente em jogos no Canindé.

Ontem, quando o árbitro apitou o fim do jogo, uma coisa me espantou. Meu pai levantou, saiu da arquibancada e foi em direção ao local por onde saem o trio de arbitragem e os jogadores que vão fazer o exame anti doping. Eu estava ali atrás do banco de reservas da Lusa observando a discussão do Fabrício com a torcida da Portuguesa.

Nunca vi meu pai tão bravo e nervoso. Ao perguntar para ele o que tinha acontecido ele disse: - Esse Renê, goleiro do Bahia, é um FDP, mau-caráter, fica fazendo gestos para torcida, desrespeitou a torcida da Portuguesa! Quem esse cara é para fazer isso no Canindé?

Meu pai não foi o único que viu a deplorável cena do jogador do Bahia, todos que estavam ali, ficaram revoltados.

É lamentável ver uma goleada no Canindé, ouvir a torcida adversária gritando “o Canindé é nosso” e jogadores despeitando a torcida.

Mas quem é o Renê?

Renê é aquele goleiro que assinou  um pré-contrato com a Lusa e dias depois aceitou conversar com o Atlético-MG. Conclusão: o Atlético desistiu de contratar o imbecil, ele ficou chupando o dedo e foi parar no Mirassol e atualmente está no Bahia. E se depender da minha torcida vai para clube ainda pior, antes de ir para o inferno.

Espero que a diretoria da Portuguesa seja sensata e nunca mais tente contratar esse goleiro. Mas da próxima vez que ele pisar no Canindé, vou dar calmantes para o meu pai, senão é capaz de pular o alambrado para bater nesse “pseudo jogador” e não quero ir visitar meu pai na delegacia! rs

Um comentário:

Igor sausmikat disse...

Esse Renê podemos dizer que ele parece o Dagoberto,todo cheio de mimimi.
Pra resumir tudinho claro.
Pior Michelle é que não se confia cegamente em diretoria de time,até porque quando menos se espera contrata o jogador que as vezes você nunca queria que vestisse a camiseta de seu time.
Caso de muitos times por aí e a própria Lusa também.Ou vai dizer que alguém queria o Kempes de volta ou o Malaquias ou alguns outros hein que já passaram por ela.
No meu time não queria NUNCA que o Herrera vestisse a camiseta do meu time e o que a diretoria faz,contrata ele e tal.Infelizmente futebol é assim,não se confia cegamente em diretoria de clube,pois quando menos se espera vem a frase do zagallo e diz: aí sim fomos surpreendidos novamente
beijos Michelle
Igor